Ao contrário

Neste sábado a idéia era fazer uma volta por Nova Petrópolis. Era.

Saímos eu, o Marcos + o Jorge em direção a Terceira Légua, Belo e arredores.

Antes de sair o momento pica-pau do dia: esqueci as duas caramanholas dentro do congelador…. fui obrigado a sair com uma garrafa de água mineral que saltava fora em qualquer solavanco mais forte.

Descida sem sobressaltos, apenas com um comentário: o cascalho começou a brotar na Estrada do Imigrante. Se continuar assim, o Up-Hill de domingo vai ser complicado.

Após a descida, consegui convencer os dois a conhecer o Morro Gaúcho, roteiro do pedal que fiz na semana passada. Eu mesmo tinha receio de fazer ao contrário. Se o Morro Gaúcho já é complicado de descer, subir então…

Assim, chegamos na RS e fomos pelo asfalto até Vale Real. Uma paradinha básica no boteco pra comprar uns Biluzitos e tomar um copo de Cueca-Cuela.

Fizemos a subida do Morro Gaúcho Leste. São aproximadamente 3Km, segundo as marcações do Marcos. Subi boa parte na coroinha (dá pra ir na coroa do meio, mas é um desgaste desnecessário), mas sem usar a primeira marcha.

Paradinha na igreja da comunidade de Morro Gaúcho para reidratar e seguimos caminho. A descida a seguir é show. Graminha no meio, estreita, pouco cascalho. Mas é preciso cuidado: muitas pedronas à vista, do modelo que entorta aro.

O caminho tem uma série de “estradas vicinais”. Por mais que eu tentasse não consegui explicar direito onde é que sairíamos. Mas realmente, aquela região tem muitos vales, e são todos parecidos. Difícil diferenciar mesmo.

Num determinado ponto tem uma placa “Gruta”. Pensamos em subir até ela, mas ao conversarmos com um morador que estava embaixo do parreiral, ele explicou que a “gruta” é uma capelinha colocada embaixo de umas pedras. Não vale a subida.

Essa estradinha contorna o morro, até encontrar a descida para Forqueta Baixa. Numa nova igreja velha paramos para reabastecer. Em seguida encontra-se a estrada conhecida de todos, e aí caiu a ficha.

O ritmo era bom, sem forçar demais, sem ficar comendo mosca. A parceria é boa quando não precisa ficar parando desnecessariamente, sem precisar esperar a todo momento. Mas isso não significa que iríamos deixar passar em branco aquela plantação de limas! Umas duas pra cada um e fomos embora.

O desafio final agora era a subida do Atalho do Zorze. Essa também tem uns 3Km, dos quais a metade PRECISA ser feita na coroa pequena. Muito cascalho, pedronas fincadas, sol forte.

Na largada, eu que não sou tatu já baixei pra coroinha. Só que fiquei numa terceira marcha, ainda não era íngreme.

E fomos, sem forçar absurdamente, mas também não muito devagar (quando inclina muito e tem cascalho é melhor ir mais rápido, evita perder a dianteira da bike).

O Jorge tinha combinado com algúem pra que esse alguém ligasse pra ele na metade da subida. E deu certinho. Aí o Marcos resolveu ficar acompanhando. Eu não gosto de parar na metade do morro, só se estiver muito pregado. Disse que esperaria eles na casa depois do último cotovelo, quando a parte pior termina.

E só quando cheguei nesse ponto que eu percebi que não tinha baixado a marcha. Continuava na coroinha e terceira marcha! É sério. Não sou de ficar mentindo, mas nem percebi isso. Se fosse a dois ou três anos atrás, seria na primeirinha e empurrando o trocador pra ver se aparecia mais uma marcha🙂

Parei um pouco e os dois já chegaram. Fomos juntos até São Roque, quando fizemos uma paradona de uns 20 minutos. Saída bem lenta (tem uma subida chata na largada).

Chegando em Forqueta, inventei de sprintar no “top” dos trilhos. Coroa grande e últimas marchas. Alguma barbeiragem ou câmbio desregulado, não sei o que houve.

Aparentemente, a corrente caiu pra coroa do meio. Deu aquela aliviada brusca, a perna foi com força, desclipei um pé, depois o outro, fui picando no tubo central até conseguir parar. Sem muitos danos, exceto minha panturrilha com (mais uma) tatuagem de coroa de pedivela. Uns 5 ou 6 furos. E doeu!

Mais uma parada para a tradicional Coca da chegada e depois o retorno pelo asfalto chato de Forqueta.

Total: 86Km, mais ou menos.

Deixe uma resposta

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: