Proclamação da República

15 de Novembro. Um frio de lascar. De manhã cedo estava marcando 8oC nos termômetros da cidade.

Mas o pior era o vento. Forte e contra.

Achei que era exagero, mas coloquei minha camisa X-Thermo, camisa de ciclismo e um quebra-vento. Pensei mesmo que teria que tirar a X-Thermo.

Nos encontramos na praça. Lá estavam o Marcos, Jorge e o Isaac. O César dormiu demais (again!), o Andrius não podia, o Testa queria andar amanhã.

O Isaac estava estreando sua nova bike: uma Cannondale Scapel Lefty. Show de bike, uma mescla de LX com S-Ram X-9, freios Avid, rodas Mavic CrossMax. Amarela, muito linda.

Claro que já fizemos um pequeno teste com ela, pra ver se não caíamos pro lado direito…

Na praça também estavam reunidos alguns espideiros que foram andar na Rota do Sol (devem ter se ferrado bonito com a ventania), mais o Moto e um amigo, que iriam treinar pros lados de Farroupilha.

Nossa idéia inicial era: bairro Castelo, Fazenda Souza, São Roque até uma encruzilhada, pegando a direita e depois a direita novamente na estrada do Juá, seguindo até a Tabela, depois Santa Lúcia, voltando pelo Bar do Véio.

Começamos num ritmo mais ou menos forte. Era isso ou congelar.

No asfalto de Fazenda Souza o Isaac perdeu o vácuo e já ficou. Na estrada de chão, eu e o Jorge começamos a puxar um pouco mais e o Marcos ficou fazendo companhia para ele.

Ao chegarmos na encruzilhada, uma parada para esperar. Assim que eles chegaram fizemos um test-drive num ambiente melhor, descida e subida.

A bike é muito legal, mas para o meu gosto é muito “landauzão” demais. Talvez seja pelo costume que eu tenho com a Scale, que é totalmente racing. Quase toda a bike que eu experimento, tenho essa mesma sensação. A suspensão dianteira é bem firme, contrariando as expectativas de uma coisa molenga. A traseira é de uma full: pedalando com força, ela engole um pouco da força, ao invés de ir pra frente, afunda. Não tentei travar a suspensão, quem sabe muda…

Na saída, o Isaac deu com a roda traseira numas pedronas. Pepino: sua camâra de ar reserva era bico grosso, não entrava no aro. Tivemos que remendar QUATRO mordidas! (camâra bem fininha). Mas não dá nada, enquanto arrumamos só se falou bobagem e demos muitas risadas. Na saída dessa estrada, experimentamos o “vento de 4 costados”. É assim: quando você está descendo ou subindo, ele é contra. Você faz uma curva, e ele é contra. Vira pro outro lado e ele é contra. Faz meia-volta e ele é contra.

Da estrada do Juá até a Tabela, fomos eu e o Marcos na frente, ritmo normal, não molenga. Ao chegarmos na Tabela, tivemos a idéia de voltar direto pra Fazenda Souza, poir imaginamos que o Isaac estaria muito cansado pra subir o Véio. Pedal é isso, companheirismo, se tem alguém mal, o negócio é facilitar, mesmo que os planos tenham que ser mudados.

Dito e feito. Voltamos direto. Ah… essa estrada é muito boa pra dar uma lenha!!! Em 13Km de chão com sobes e desces mais uma subidona de quase 2Km fiz uma média superior a 22Km/h. Bom demais forçar as pernas.

Chegando em Fazenda Souza fomos direto pro bar do “não tem”. Dito e feito, pedi uma Coca 2 litros, o cara já puxou do freezer um Sprite: “-Não tem Coca, só Sprite”. Porco cán!!! Alguém já viu faltar Coca-Cola num restaurante?!?!!? Me indignei e fomos até o boteco ao lado do mercado.

Lá tomamos uma Pepsi com Biluzitos. E nada do Jorge e do Isaac. Esperamos uns 20 minutos e chega o Jorge com a notícia: ele tava mal, esgotado.

Como eu tinha compromisso as 14 horas, me mandei sozinho. No cacete. E que saco, parado no frio, começou a doer o meu joelho direito, não dava pra forçar muito.

Resolvi vir só pelo asfalto e subir o Eberle, caminho mais rápido (mas não o mais fácil). Em 60 minutos estava em casa, meu recorde pessoal.

No final das contas, 87Km, com média de 21,4Km/h. Bem bom.

Depois liguei para o Marcos. O Isaac precisou de resgate. Ele anda seguidamente, mas acho que são distâncias menores e num ritmo mais leve. É questão de tempo e treino.

As fotos estão num álbum do Picasa, o link, abaixo.

Pedal da Proclamação

2 respostas para Proclamação da República

  1. Renato disse:

    Também andei ontem, mas solito, por que o pessoal deu para trás. Aqui o vento era do mar (e olha que Curitiba não tem mar!), isto é, de leste, então na ida foi complicado, mas a volta foi uma maravilha. 40 km em uma hora e cincoenta, se bem que metade é asfalto ou paralelepípedo. A média aumenta muito com o vento a favor.

    Agora esta lefty me parece muito estranha. Dá até um ruim olhar para ela, meio aleijada! Só pilotando uma para ter uma idéia.

  2. Zaka disse:

    Pois é… eu já tinha visto ela numa loja (essa mesma). Como os caras não conseguiram vender, o proprietário tirou e fez uma venda direta.

    Também imaginei que seria estranho, mas até que não. Claro que andei só uns poucos metros, precisaria descer no meio de umas pedras pra sentir melhor. A primeira impressão foi boa. O que eu não gostei é da suspensão traseira mesmo. Não gosto de full.

Deixe uma resposta

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: