Cicloviagem a trabalho

Domingo, 17 de agosto: enduro de regularidade de motos em Santa Cruz do Sul. Eu tinha que ir trabalhar lá.

Como minha programação era ir de carona, mudei um pouco os planos: ir no pedal e voltar de carona.

Fiz algumas análises: distância aproximada de 170Km, previsões de paradas a cada 50-60Km em pontos estratégicos, roupas para trocar, etc.

Na semana passada, tentei colocar um bagageiro de canote na speed. Ninguém quis me vender um🙂 disseram que ia ficar muito feio. No máximo consegui uma bolsa de selim. Ali foram 3 câmaras, espátulas e o canivete de ferramentas.

Saí no sábado às 7:30. Friozinho, usei manguitos e o corta-vento. No camel, uma muda de roupas “civis”.

Caxias-Farroupilha (+- 18Km) => sem comentários

Farroupilha-Fenachamp (+- 40Km) => com exceção dos dois FDP que resolveram fazer uma ultrapassagem, ignorando totalmente minha presença no morro do 80 (quando vem alguém em sentido contrário, a gente pode ultrapassar ou deve jogar esse alguém pra valeta?), sem maiores destaques.

Fenachamp-Posto BR em Boa Vista do Sul (+- 50Km) => trecho “normal”, um tráfego chatinho na área urbana de Carlos Barbosa e Garibaldi. Fiz minha primeira parada aqui para tomar uma Coca e comer um pão de queijo. Estava com média de 25,9Km.

Posto BR Boa Vista do Sul-Lajeado (+- 100Km) => antes da serra, tem o trecho mais perigoso: uma curva sem acostamento, com tachões no meio, é preciso entrar com velocidade, cuidando se não vem descendo ninguém. A descida da serra tá uma nhaca, cheia de remendos e uns rebaixos a cada 50 metros, fica impossível descer a mais de 80Km/h (mesmo assim ultrapassei dois caminhões e vários carros). Depois da serra o acostamento fica bem razoável, dá pra andar na boa. Com o terreno é ondulado, a média horária sobe, o tráfego diminui (exceto nas áreas onde tem algumas vilinhas). O cruzamento por Estrela é tranquilo, andar pela BR até Lajeado idem. Chegando em Lajeado, cheguei a conclusão que aquele povo ou não está acostumado com bicicletas (o que acho improvável) ou não respeitam mesmo: levei várias fechadas, muitos ciclistas andando na contramão, pedestres que acham que bicicleta não é veículo, etc. Parei num posto na saída pra Venâncio Aires, onde em seguida chegaram vários guris com MTB e BMX e ficaram babando em cima da minha querida. Conversa vai, conversa vem, entre uma mordida e outra num sanduíche feito de pão velho, dei uma de pescador e menti um pouco, disse que tinha feito 150Km em 4 horas e estava indo até Santa Maria (mais 200Km) e queria chegar lá até as 16 horas (isso eram 11 da manhã).

Lajeado-Restaurante Casa Cheia em Venâncio Aires (+- 130Km) => sem a menor dúvida, o melhor trecho da viagem: estradão ondulado, ótimo acostamento, pouco movimento. Fácil manter uma média de 30 por hora (isso no modo economia de energia ativado). Mesmo assim um pouco antes de Mato Leitão furei um pneu, atrasando minha vida uns 15 minutos. Na chegada em Venâncio Aires, ameaçou uma chuva, o chão chegou a ficar molhado. Aí apertei o ritmo pra ver se escapava dela. Saí da Rota do Sol e peguei a Tabaí-Canoas. Um pouco adiante parei no Restaurante Casa Cheia (na verdade, a lancheria ao lado, mais simpática, chamada “Lancheria Tropical”). O alemão que atende é gente boa, conversador como só ele. Aqui só comprei uma água.

Lancheria Tropical-Santa Cruz (160Km) => saí da lancheria e já começou a chuva, um verdadeiro temporal, muita água mesmo. Passei pelo pedágio e um pouco adiante ela parou e o asfalto já começou a secar com a ameaça de sol que pintava. Comi ao mesmo tempo que pedalava meus últimos “NutrelaPower” mantendo uma velocidade em torno de 35 por hora (sem esforço). No ponto onde tem o pardal, por garantia comi um gel, pensando na tal subida das 7 curvas. Chegando nesse trecho, imaginei que fosse uma subida chata como o Eberle, é longa igual, mas com inclinação menor, subi toda ela a 20 por hora ou mais. Fiz o contorno bonitinho (não entrei na contra-mão no Fritz e Frida) e desci até o centro da cidade.

Números finais:
160Km (10 a menos que marquei de carro – seria a estrada da Fenachamp um “atalho?)
28 Km/h de média
78 Km de velocidade máxima
2 Cocas
1 pão de queijo
1 sanduíche de pão velho
4 NutrelaPower
1 Powergel
2 litros d’água

(o difícil foi fazer o pessoal que anda de moto acreditar que eu tinha pedalado até lá)

Deixe uma resposta

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: